Meta-Análise

Terça-feira
02 de Setembro
  • Entrar
  • Registrar-se
    Registrar-se
    *
    *
    *
    *
    *
    Fields marked with an asterisk (*) are required.
    Captcha plugin for Joomla from Outsource Online
     

Preencha o cadastro abaixo para efetuar os downloads gratuitos dos White Papers da Oracle

* *
*
* * * É cliente Oracle? *
*
*
*
*
*
*
* Campos de preenchimento obrigatório.

Política de privacidade: Estou ciente que os dados informados neste formulário são de uso exclusivo da Oracle e que serão mantidos em sigilo absoluto e não serão repassados a terceiros. Também estou ciente que a Oracle poderá entrar em contato comigo futuramente.

Selecione os arquivos que você quer baixar.
Selecionar todos :: Remover Seleção

Baixar Selecionados

Preencha o cadastro abaixo para efetuar os downloads gratuitos dos White Papers da Oracle

* *
*
*
*
*
*
*
*
*
* Campos de preenchimento obrigatório.

Política de privacidade: Estou ciente que os dados informados neste formulário são de uso exclusivo da Oracle e que serão mantidos em sigilo absoluto e não serão repassados a terceiros. Também estou ciente que a Oracle poderá entrar em contato comigo futuramente.

Selecione os arquivos que você quer baixar.
Selecionar todos :: Remover Seleção
Baixar Selecionados













Baixar Selecionados

Home Análise Setorial Varejo paulistano registra inflação em março

Varejo paulistano registra inflação em março

Imprimir

Produtos dos setores de Supermercados, Combustíveis e Lubrificantes e Feiras foram os responsáveis pela alta.

Depois da queda em fevereiro, o Índice de Preços no Varejo (IPV) registrou alta de 0,16% em março, segundo apurou a Federação do Comércio de Bens, Serviços e Turismo do Estado de São Paulo (FecomercioSP). No primeiro trimestre do ano, entretanto, o indicador ainda acumula variação negativa de 0,07% e nos últimos 12 meses a elevação é de 3,19%.

A elevação de 0,54% nos preços médios de Supermercados foi a principal contribuição positiva no IPV de março. Os destaques mais relevantes foram percebidos em: Tubérculos (8,04%), Frutas (6,36%), Ovos (5,70%), Pescados (3,05%) e Aves (2,26%). Praticamente todos os produtos que descreveram preços mais elevados sofreram com problemas climáticos, enquanto, por outro lado, outros produtos seguem em trajetória contrária, como é o caso de Carnes Bovinas (-5,21%), Adoçantes (-4,66%), Conservas (-1,12%) e Carnes Suínas (-0,34%). Por questões sazonais, os preços das carnes tende a se reduzir nesta época do ano por conta da quaresma.

A elevação de 0,54% nos preços médios de Supermercados foi a principal contribuição positiva no IPV de março. Os destaques mais relevantes foram percebidos em: Tubérculos (8,04%), Frutas (6,36%), Ovos (5,70%), Pescados (3,05%) e Aves (2,26%). Praticamente todos os produtos que descreveram preços mais elevados sofreram com problemas climáticos, enquanto, por outro lado, outros produtos seguem em trajetória contrária, como é o caso de Carnes Bovinas (-5,21%), Adoçantes (-4,66%), Conservas (-1,12%) e Carnes Suínas (-0,34%). Por questões sazonais, os preços das carnes tende a se reduzir nesta época do ano por conta da quaresma.

Vestuário, Tecidos e Calçados (0,11%), Padarias (0,30%), Móveis e Decorações (0,14%), Drogarias e Perfumarias (0,12%), Relojoarias (0,76%), Óticas (0,02%), Jornais e Revistas (0,13%), Material de Escritório (0,14%), Livraria (0,23%), Autopeças e Acessórios (0,36%) e Padarias (0,30%) também finalizaram março com preços médios mais elevados no contraponto com fevereiro.

Por outro lado, o segmento de Veículos se manteve com queda em seus preços médios (-0,61%), impactados pelo ligeiro desaquecimento das vendas no primeiro trimestre do ano e pelas inúmeras promoções com intuito de reduzir os estoques de modelos de anos anteriores. Automóveis Usados descreveram declínio de 0,69%, Automóveis Novos recuaram 0,60% e Motocicletas Novas registraram variação negativa de 0,19%.

O setor de Eletrodomésticos registrou queda de 2,01% em março, com acumulado de -0,38% no primeiro trimestre. A prorrogação do incentivo fiscal do IPI para os produtos da Linha Branca fez com que os preços desses produtos declinassem 4,03% somente em março. O único subgrupo a sinalizar preços médios mais pressionados em relação a fevereiro foi o de Utilidades Domésticas, cuja alta foi de 0,40%.

O grupo de Eletroeletrônicos encerrou março com variação negativa de 1,19% e atinge queda de 2,46% no acumulado de janeiro a março de 2012. Desde novembro de 2009 a atividade não registra variações positivas em seus preços médios. Todos os subgrupos que compõem o segmento acusaram recuo em suas variações em março: Informática (-0,88%), Telefonia (-1,15%) e Produtos de Imagem e Som (-1,34%). A valorização cambial acaba fazendo com que os produtos importados ingressem no varejo com preços menores e os produtos nacionais tendem a seguir a mesma tendência. Outros fatores que ajudam a entender a queda é a disseminação da tecnologia por meio de ganhos de escala - que faz com que o custo se reduza de forma significativa - e a concorrência desleal com o mercado informal.

Açougues completam três meses com queda em seus preços médios, registrando em março -1,24%. Em 2012 a atividade acumula -4,35%. Com exceção das Aves (que se elevou em 1,19%), em virtude dos custos de insumos mais pressionados, Carnes Suínas (-0,70%) e Carnes Bovinas (-1,72%) mantêm sua trajetória de queda. O aumento na oferta destas duas últimas proteínas animais se dá em virtude de uma queda na demanda por conta da quaresma, do arrefecimento das exportações e pelo aumento da oferta de fêmeas bovinas para o abate.

Outros setores que registraram declínio pouco significativo em março foram CDs (-0,08%) e Brinquedos (-0,01%), contribuindo pouco para a desaceleração do IPV.

 

Comente esta matéria


Código de segurança
Atualizar

  • Últimas Notícias

  • Mais Lidas

  • ESPECIAIS

Eventos

Próximos Eventos
Ver todos os eventos ...

Perfil do Negociador

Que tipo de negociador é você?

*

*

Desejo receber gratuitamente a newsletter do Portal Meta-Análise
Desejo receber o resultado do teste também por e-mail

* Campo de Preenchimento Obrigatório

1) Durante uma reunião, necessito fazer uma observação sobre um comentário de um interlocutor. Minha primeira atitude é:
Esperar o interlocutor terminar de falar e aí sim eu faço meus comentários;
Pedir uma pausa e fazer meus comentários em cima do que foi dito;
Esperar o melhor momento para fazer os meus comentários;
Fazer meus comentários prontamente;

2) Decido tudo porque tenho uma ótima capacidade de percepção e expressão:
Raramente;
Muitas vezes;
Quase sempre;
Sempre;

3) O acionista principal não compareceu à reunião de apresentação do "Projeto" de sua responsabilidade. Qual a sua postura diante da ocorrência:
Tenta remarcar a reunião, entendendo que a participação dele é imprescindível;
Toca a reunião com os demais, lamentando a ausência do acionista;
Busca compreender a situação e solicita uma outra opinião antes de prosseguir;
Considera importante rever a continuidade da reunião;

4) Quando sou contrariado em alguma opinião de valor, costumo ter o seguinte comportamento:
Fico calado e não deixo transparecer para os demais que não gostei;
Procuro entender a opinião diferente e contesto com meus argumentos;
Procuro saber se mais pessoas na reunião pensam daquela maneira e aí sim coloco a minha opinião sobre o mesmo assunto;
Dificilmente sou contrariado em alguma opinião de valor;

5) Argumentos embasados na hora da negociação são fatores determinantes para o fechamento:
Raramente;
Muitas vezes;
Quase sempre;
Sempre;

6) Se o interlocutor gesticula muito enquanto fala, tenho dificuldades de identificar o que está sendo dito:
Raramente;
Algumas vezes;
Quase sempre;
Sempre;

7) É sua 1ª reunião com a equipe que aprovará seu Projeto. Um dos participantes demonstra total desinteresse no Projeto. Sua atitude primeira é de:
Pedir-lhe a atenção, já que é o único desinteressado;
Saber as razões do seu total desinteresse;
Convidá-lo de maneira educada a participar junto de sua equipe;
Desconsidero o desinteresse e prossigo na apresentação;

8) Demonstro entendimento sobre o que está sendo tratado através de sinais afirmativos:
Raramente;
Algumas vezes;
Quase sempre;
Sempre;

9) Após uma apresentação de duas horas referente a um Projeto, não tenho certeza se todos os participantes compreenderam. Minha atitude é:
Solicitar aos participantes falarem dos tópicos para me certificar da compreensão;
Lançar algumas perguntas pertinentes ao assunto checando a compreensão;
Se ninguém tem perguntas é porque entenderam todo o Projeto;
Perguntar sobre os tópicos que considero mais difíceis de entendimento;

10) Gosto mais de Falar do que Ouvir:
Raramente;
Muitas Vezes;
Quase sempre;
Sempre;

11) Uma reunião é interrompida bruscamente, você estava expondo um Projeto de grande impacto para o negócio, como conduz:
Aproveito a interrupção e faço um momento de 'lazer';
Continuo a reunião após a interrupção sem falar no assunto;
Fico constrangido sem saber exatamente o que fazer;
Considero que meu tempo terminou;

12) Costumo me concentrar nos pontos principais da negociação e procuro anotar o que não compreendi:
Raramente;
Algumas vezes;
Quase sempre;
Sempre;

13) Se alguém conversa com você e não olha diretamente nos olhos fica com a impressão que:
O interlocutor pode ser mentiroso;
Ele certamente tem medo;
Ele pode ser tímido;
Nem penso sobre isto;

14) Gosto mais de fazer perguntas do que dar respostas:
Raramente;
Muitas Vezes;
Quase Sempre;
Sempre;

15) Quando os argumentos são mais importantes que os fatos:
Nunca;
Às Vezes;
Frequentemente;
Raramente;


Alog-::- Hospedado pela Alog Data Centers do Brasil -::- Data Center -::-  Hosting -::- Colocation -::- Servidores Dedicados -::- Mapa do Site -::- Alog